05/03/2018

[Lançamentos de março] Grupo editorial letramento

| |

Olá amores tudo bem com vocês? Mais um mês se inicia e com ele, alguns lançamentos no nosso parceiro, Grupo editorial letramento. Vamos conferir?



Crime e castigo – ensaios de resistência, controle social e criminologia cultural
"Com muita honra aceitei o convite do amigo e colega Salah Khaled, para prefaciar a obra que o leitor tem em mãos, de grande relevo para o debate criminológico contemporâneo, em especial no que se refere à Criminologia Cultural.
O que justifica para nós o conhecimento e os estudos da Criminologia Cultural, como produto importado, é a busca necessária de um novo paradigma de pesquisas e análises, que leve em consideração as emoções humanas e seja sensível às demandas e avanços sociais. Um modelo de pensamento mais produtivo que as abordagens criminológicas tradicionais, conservadoras e retrógradas; uma alternativa realista e viável ao discurso simplório e violento do punitivismo de cunho fascista, que especialmente hoje, domina o debate nacional, principalmente na mídia, cuja ação, segundo a Criminologia Cultural, é hoje estudo indissociável e obrigatório a qualquer abordagem mais abrangente do sistema penal, do crime e do controle da criminalidade, no mundo inteiro.

Apesar de as suas principais obras de referência ainda estarem sem versão em português, alguns intelectuais brasileiros, como o autor dessa obra, contribuem com produção e publicações que fazem uma excelente aproximação dos conceitos, abordagens e métodos inovadores propostos, dentro do objetivo de perturbar intelectualmente, ou “manter girando o caleidoscópio das maneiras pelos quais pensamos sobre o crime e, mais importante, sobre as respostas jurídicas e sociais à quebra de regras.”, nas palavras de Hayward. Para essa atingir essa meta, um bom começo é se dedicar à proveitosa leitura das páginas que seguem, de modo a obter uma ideia muito clara do que é e o que pretende essa proposta de revisão conceitual e metodológica dos estudos sobre crime e controle de criminalidade.

Trata-se, portanto, de leitura instigante e prazerosa, uma vez que os capítulos são autônomos, dinâmicos, bem escritos e fundamentados, produzidos em prosa madura e cuidadosa. O que resulta é a inspiração ao debate e à pesquisa, em muitos temas e pontos de vista não usuais, e necessários. Da obra de Salah, fica a sensação de que há muito para debater e descobrir na área, o que as leituras tradicionais não produzem, muito ao contrário. Tanto o estudante, como o pesquisador experiente, sairão satisfeitos e estimulados dessas páginas, que recomendo com vigor. Uma boa leitura, e muitos avanços a todos! Álvaro Oxley Rocha"



Mulher Alfa
“Mulher Alfa não é um manual ou um guia de liderança. É um retrato da mulher brasileira contemporânea e uma homenagem à sua autenticidade, criatividade e resiliência para liderar sua vida pessoal e profissional. Escrito por Cristiana Xavier de Brito, o livro destaca a liderança feminina brasileira e as suas características, dá voz a mulheres em diferentes campos de atuação, abre um diálogo sobre os dilemas da brasileira do século XXI e serve como fonte de inspiração para contemporâneas da sua geração e as futuras líderes deste país.

O livro traz o perfil de dez líderes que se destacam por seu protagonismo. Cristiana pretende reforçar a liderança não como um cargo de chefia, mas como uma postura e comportamento diante da própria vida.”




Inteligência de mercado – O poder da informação
“Tomar uma decisão nos dias de hoje é algo crescentemente complexo e obriga a empresa a empunhar um arsenal de informações disponíveis. Não é possível encaminhar qualquer ação baseada apenas e tão somente nos modelos tradicionais de decisão onde a experiência e a sensibilidade se impunham e diferenciavam os grandes líderes. Não que estas atribuições não continuem a ser fundamentais, mas o respaldo na informação qualificada e nos métodos de análise adequados propiciam a criação do diferencial competitivo que, em última instância, conduz ao sucesso, ao melhor resultado.
Ter informação apenas não basta. É preciso que esta seja suficientemente abrangente, atualizada, disponível, organizada e aplicável e para tanto é necessário que sejam criados os processos que irão consolidá-la desta forma dentro da empresa.

É exatamente neste contexto que surge a Inteligência de Mercado como conceito fundamental para que estas ações sejam elaboradas. A Inteligência de Mercado é antes de tudo um processo que idealmente deveria, ao mesmo tempo, estar entremeado em todas as áreas da empresa e ser por elas alimentado.
Este livro pretende apoiar a suas tomadas de decisão, bem como ajudá-lo a definir não se, mas sim como a Inteligência de Mercado vai atuar dentro das organizações já a partir de amanhã.”


Discurso de ódio e sistema penal – 2ªed
"Tempos estranhos que estamos vivendo.Brasileiros com nervos à flor da pele, opinando enfaticamente sobre os rumos do País a partir da interpretação coletiva, não necessariamente consensual, de um processo criminal que transcendeu o foro e aportou na política: a Operação Lava-Jato.O belíssimo livro do Professor Salah H. Khaled Jr. reúne artigos publicados recentemente, neste contexto de emoções intensas, que se expressam não raro por meio da violência verbal e física, característica cada vez mais visível no cenário do que deveria ser o debate político.O autor é processualista penal e historiador. Dono de invejável capacidade analítica, Salah H. Khaled Jr. está particularmente dotado das condições para perceber o ressurgimento vigoroso de manifestações de ódio em diversos campos, manifestações que compartilham uma espécie de genealogia autoritária típica das práticas jurídicas: aquela que remete à mentalidade inquisitorial.A proposta contida nos diversos artigos do belíssimo livro de Salah H. Khaled Jr. converge, também, com a obra de outra gaúcha, a filósofa Márcia Tiburi (“Como conversar com um fascista: reflexões sobre o cotidiano autoritário brasileiro”). O autor traça refinados diagnósticos de sintomas e causas dessa deriva autoritária, que na perspectiva escolhida são tratados preferencial, mas não exclusivamente, pelo ângulo do funcionamento do Sistema Penal, de sorte a criar condições para, no âmbito de disputa ideológica que está definido, destravar o debate e encontrar caminhos que favoreçam a solidariedade. Os artigos são analíticos, mas, em grande medida, também propositivos.Esta é uma das virtudes de “Discurso de ódio e sistema penal”. Ao delimitar o espaço de incidência das práticas autoritárias – menoridade penal, pensamento único, espetacularização do drama criminal – o conjunto da obra beneficia o leitor ao apontar para outros mundos possíveis. Geraldo Prado"

Dois, dos lançamentos citados acima são da área jurídica, mas logo teremos mais lançamentos do grupo editorial, ansiosos? 

2 comentários: