26/03/2018

[Resenha] Canção de ninar - Leïla Slimani

| | 16 comentários
Titulo: Canção de ninar 
Autora: Leïla Slimani
Ano de publicação: 2018
Número de páginas: 192
Editora: TusQuets
Gênero: Suspense
Compare & Compre: Saraiva ✰ Amazon ✰ Livraria Cultura
Sinopse: Apesar da relutância do marido, Myriam, mãe de duas crianças pequenas, decide voltar a trabalhar em um escritório de advocacia. O casal inicia uma seleção rigorosa em busca da babá perfeita e fica encantado ao encontrar Louise: discreta, educada e dedicada, ela se dá bem com as crianças, mantém a casa sempre limpa e não reclama quando precisa ficar até tarde.
Aos poucos, no entanto, a relação de dependência mútua entre a família e Louise dá origem a pequenas frustrações – até o dia em que ocorre uma tragédia.

Com uma tensão crescente construída desde as primeiras linhas, Canção de ninar trata de questões que revelam a essência de nossos tempos, abordando as relações de poder, os preconceitos entre classes e culturas, o papel da mulher na sociedade e as cobranças envolvendo a maternidade. Publicado em mais de 30 países e com mais de 600 mil exemplares vendidos na França, Canção de ninar fez de Leïla Slimani a primeira autora de origem marroquina a vencer o Goncourt, o mais prestigioso prêmio literário francês.


Olá amores tudo bem? "Canção de ninar" é um livro que já faz muito sucesso em vários países, e a Editora Planeta do Brasil, publicou com o selo TusQuets recentemente.

O livro conta a história de Myriam, uma mulher casada e com dois filhos pequenos, que está cansada de ser apenas dona de casa. Ela resolve voltar a trabalhar, e recebe uma ótima proposta de um amigo. Porém Myriam precisa encontrar alguém para cuidar das crianças, e após uma seleção exaustiva, o casal acaba conhecendo Louise, uma senhora simpática, com ótimas referências e que parece ser a babá perfeita.


"Paul e Myriam são seduzidos por Louise, por seus traços lisos, seu sorriso franco, seus lábios que não tremem. Ela parece imperturbável. Tem o olhar de uma mulher que pode compreender e perdoar tudo. Seu rosto é como um mar calmo, de cujos abismos ninguém poderia suspeitar"

Com o passar do tempo, o casal se vê cada vez mais apegado a babá. Ela é a babá dos sonhos, limpa a casa, cuida das crianças, faz uma ótima comida e o casal pensa em ter tirado a sorte grande a contratando. Afinal, Louise era tudo que eles queriam em uma pessoa só.

"À noite, no conforto de lençóis frescos, o casal ri, incrédulo, dessa vida que levam. Eles têm a sensação de ter encontrado uma pérola rara, de terem sido abençoados. Claro, o salário de Louise pesa no orçamento familiar, mas Paul não se queixa mais. Em algumas semanas a presença de Louise se tornou indispensável."
 
Mas nem tudo são flores, com o tempo a relação entre o casal e a babá vai ficando cada vez mais estranha. Eles dependem dela de tal maneira, que apesar de suas atitudes esquisitas, e de suas mudanças repentinas de humor, o casal não consegue demiti-la. Louise também passa a depender muito do casal, e no decorrer da história conhecemos também o ponto de vista dela, e percebemos que a vida dela também não é fácil. Ela é uma idosa sozinha, e sem condições financeiras.

O livro é narrado em terceira pessoa, mostrando o ponto de vista de alguns personagens, inclusive o de Louise e Miryam. E a história se desenvolve bem rápido, porém é muito bem construído. O livro te prende logo na primeira frase, quando a autora mostra o que virá pela frente, mas sem entregar detalhe do que realmente acontecerá.

"O bebê está morto"

Louise é uma babá realmente perfeita, mas quem vê cara não vê coração não é mesmo? E até que ponto podemos usufruir da bondade alheia? Podemos deixar tudo nas mãos de alguém assim? Tive a impressão que o casal ficou tão dependente da babá que esqueceu que ela é um ser humano que mesmo que ela quisesse ajudar em outras tarefas tudo tem um limite, inclusive a relação entre patrão e funcionário.

Este livro traz uma proposta muito diferente, muito humana, nos fazendo olhar para o nosso interior. Afinal, ninguém é perfeito e bonzinho o tempo todo. Todos nós passamos por dificuldades na vida, mas precisamos aprender a olhar para o lado também. Myriam e Paul são personagens muito egoístas, e para mim se aproveitaram demais da bondade de Louise até ela ficar extremante dependente deles também. Porém tanto eles quanto Louise, foram bem desenvolvidos.

Gostei muito do enredo, da trama que é muito original e a narrativa também despensa críticas, mas o final me desapontou o pouco, pois eu esperava mais. Acho que minha frustração foi basicamente não saber o que aconteceu depois do fim haha, eu queria mais e o fato do livro ser tão pequeno e tão rápido me deixou com gostinho de quero mais.

Para quem gosta de livros curtos, de suspense que prende bem rápido eu super recomendo. O sucesso deste livro não é a toa! 

Beijos!